O futuro do trabalho: perspectivas pós-COVID-19

A pandemia de COVID-19 pegou o mundo de surpresa e fez com que todos se adaptassem repentinamente a uma nova vida remota. O acontecimento trouxe debates sobre saúde pública e expôs fragilidades que, com certeza, se refletirão no futuro do trabalho, mesmo após a doença ter sido controlada.

No post de hoje, separamos algumas perspectivas do que deve mudar no universo profissional pós-pandemia. Continue a leitura para conferir!

O que deve mudar?

Home office

Em alguns locais do Brasil, as pessoas já voltaram à rotina de trabalho no escritório, porém com diversas adaptações. Espaçamento entre mesas ou assentos, salas de reunião com número de pessoas reduzido, turnos para almoço e outras decisões transformam consideravelmente o dia a dia de um escritório.

Além disso, muitas empresas não possuem espaço suficiente para comportar a equipe completa, precisando criar rodízios de home office. Essas mudanças não devem ser desfeitas completamente após o controle da COVID-19, e cada vez mais profissionais adotarão o trabalho a distância de forma integral.

futuro-do-trabalho-no-home-office

O futuro do mercado de trabalho contará com mais oportunidades home office.

Um estudo da FGV mostra que o regime de trabalho remoto deve crescer até 30% após a pandemia. Outro motivo para isso é que diversos profissionais e empresas se adaptaram bem à modalidade, mesmo que de forma improvisada.

Vantagens para o empregador, com corte de custos na sede, e para o empregado, como proximidade da família, podem causar um bom aumento na adesão à modalidade.

Esse entusiasmo de trabalhadores e empresas com home office já era previsto por especialistas, porém a pandemia acelerou o processo devido a necessidade de proteger as pessoas.

Agora, o desafio é adaptar a empresa para essa nova realidade. Por meio de novas tecnologias, a força de trabalho deve focar cada vez menos na presença física e mais na boa entrega do serviço.

Saúde mental

A COVID-19 também jogou mais atenção à saúde mental dos colaboradores. A ansiedade gerada pela pandemia e a necessidade de adaptação abrupta à nova realidade são estressantes, cenário em que psicólogos alertam que pode aumentar as chances de desenvolver Síndrome de Burnout.

Com a saúde mental sofrendo, fica difícil manter uma boa produtividade e o ritmo ideal. Esses resultados afetam diretamente as empresas, que devem se atentar ao bem-estar dos colaboradores, mesmo que a distância. Um suporte emocional, além de medidas como convênios com psicólogos, auxiliam o colaborador nesse momento, e são uma das coisas que devem se tornar mais comuns no mundo pós-pandemia.

Flexibilidade de horários

Com uma boa parte da empresa trabalhando remotamente e fazendo rodízios, uma decisão natural foi a flexibilização do trabalho, com um foco maior em resultados e objetivos. Isso impulsiona a autonomia dos colaboradores, que se sentem livres para testar e adotar horários diferentes e que funcionem melhor para eles.

futuro-do-trabalho-flexibilidade-horarios

Flexibilidade de horários e novas formas de mensurar a produtividade dos funcionários também são tendências.

 

A flexibilidade não deve ir embora, visto que também foi uma tendência acelerada pelas circunstâncias. O desafio, no momento, é adaptar os processos da empresa para essa nova realidade.

Design e segurança

Assim como as atitudes, os espaços também deverão se transformar para a nova realidade. Para garantir a saúde e segurança no trabalho, os escritórios devem se tornar mais arejados, permitindo a circulação de ar, e ter um distanciamento maior entre as estações de trabalho.

Nesses casos, uma simples adaptação não é o suficiente. É preciso criar um projeto que garanta a segurança de todos envolvidos e evite gastos desnecessários.

O readensamento do local deve ser feito para que o escritório aproveite ao máximo o espaço, respeitando limites e distâncias necessárias para todos permanecerem seguros. Também é preciso repensar formas de armazenamento de mobiliários que não serão usados nos próximos meses e ter atenção para que eles não estraguem.

Para os colaboradores que permanecerão definitivamente em home office, recomenda-se oferecer uma boa infraestrutura, com móveis e tecnologias necessárias para o bom andamento do trabalho. Assim como ocorre com equipamentos in loco, um contrato de responsabilidade pode ser firmado, garantindo que o funcionário cuidará com zelo de todos os itens.

Assim como a flexibilidade de horários e formas de trabalho é importante para as pessoas nesse momento, as empresas também devem buscar por isso. Afinal, por mais que possamos fazer projeções e refletir sobre o futuro, não há como saber exatamente como será, e grandes investimentos e comprometimentos em um momento desses não é o mais viável.

Para isso, a Riccó Hub desenvolveu o serviço de Safe Design. A Riccó aplica o expertise de mais de 140 anos de mercado para achar as melhores soluções para uma volta gradual ao escritório, home office e para pensar no futuro, com novos conceitos para o escritório.

Tratando os móveis como serviço, com sale & leaseback do mobiliário e soluções para o armazenamento, a Riccó Hub está pronta para trabalhar junto com a sua empresa. Se interessou? Clique no banner para saber mais!

ricco-volta-ao-escritorio-safe-design

SCROLL UP